domingo, 25 de fevereiro de 2007

O prazer ou a dor de amar

Estava assistindo Friends, o epsódio em que o Chandler pede a Monica em casamento. Ele que morria de medo de se relacionar, compromisso, etc, encontrou o amor e, a partir daí, não podia pensar em perdê-lo.

Mostrou também a Rachel e a Phoebe, que apesar de estarem felizes pelos amigos, sentiam um pouco de inveja e procuraram um "estepe", caso não casassem até os 40 anos, estavam de acordo com os outros dois amigos.

É engraçado que todo mundo pensa que "um dia" encontrará sua cara-metade. Hoje vejo que muitas pessoas começam a namorar pelo simples fato de estar com alguém. "Um dia isso teria que acontecer", "um dia é preciso casar e ter filhos", "ele é uma boa pessoa, por que não?", "é preciso ter alguém", "eu sou uma mulher, ele um homem, devemos namorar".

Mas quem realmente namora por sentir o verdadeiro amor, a paixão que une duas pessoas, que naturalmente sente a vontade de passar o resto de suas vidas juntas, abraçar e não soltar mais?

Aquele amor que vemos nos filmes, séries e livros, que faz perder o fôlego, tirar o sono, aumentar a conta de telefone e fazer o coração bater mais forte. Ouvir aquela música romântica e pensar na pessoa amada. Quantos o possuem?

Há quem se sinta bem ao saber que é amado. Mas como preencher o vazio dentro do próprio peito?

Dizem que o primeiro amor a gente nunca esquece. Não seria o mais forte?

Acredito que o amor verdadeiro dure para sempre, ou até o final, como achar melhor. Eu creio nisso. O que acontece depois dos "Felizes para sempre"? O final.

Se acabou, não era amor de verdade. Era qualquer outra coisa.

Namorar por namorar, qualquer um, é fácil. Eles aceitam ter alguém, somente.

Namorar por um sentimento verdadeiro e único, que faz você perder os limites, lutar, preservar, fazer valer e valorizar cada dia, é raro.

Quando é encontrado, você faz de tudo, vai atrás até o final.

Pode acontecer de você sentir por alguém, mas esse alguém não sente por você. Ele sente por outra pessoa, que não sente por ele. Essa outra pessoa, sente por você.

O que seria pior: ter o privilégio de sentir, mas não ser correspondido ou nunca ter sentido?

O prazer de um amor dura um minuto. A dor dura o resto de sua vida.

Até achar um substituto? Tem que superar, no mínimo.

Será que você encontrará e será encontrado?

Relaxa! Um dia...



Um comentário:

Rodrigo disse...

Faço das suas as minhas palavras.